• Denise Waskow

História da empresa vivenciada no dia a dia

Sabe aquela ideia de que o autoconhecimento é fundamental para nos posicionarmos e agirmos de acordo com aquilo que faz sentido para nós? O mesmo vale para as empresas: conhecer a sua história é um passo crucial para se aproximar da sua essência e dos seus valores. E nesse post vou te explicar como isso se reflete na prática.

Três mulheres sentadas ao redor de uma mesa trabalhando e sorrindo entre si. Mesa de madeira e fundo com uma textura verde. Sobre a mesa dois notebooks, dois cadernos e dois copos de água.

Muitas vezes, principalmente em organizações de médio e grande porte, não sabemos como tudo começou. E até mesmo em negócios pequenos e familiares, nem sempre as origens estão claras. Mas percebemos que existe um modo de conduzir as atividades, de se relacionar com clientes, parceiros e fornecedores, que tem raízes profundas.


A história da empresa impacta em aspectos estratégicos, de comunicação e de reputação. Por isso, quanto mais claros e conhecidos forem os capítulos dessa jornada, melhor.




Um guia para o alinhamento estratégico

Ao nos aprofundarmos sobre o passado de uma empresa, é inevitável descobrir os valores do(s) fundador(es) que orientaram a criação do negócio. E o mais surpreendente é observar que, em boa parte dos casos, por mais que o tempo passe, eles continuam presentes e colocados em prática.


Então, na hora de refletir sobre missão, visão e valores, é sempre válido retornar às origens e se conectar com essa essência. A história pode servir como um guia para o alinhamento estratégico, avaliando o que faz sentido manter e o que pode ser atualizado. Assim, o propósito e os objetivos adquirem um significado muito maior para todos.



A essência da cultura empresarial

As raízes de uma organização também estão intimamente ligadas à cultura vivenciada no dia a dia, o que vai além do alinhamento estratégico. Sabe aquele jeito característico de se relacionar com os colegas, os clientes e os parceiros, que é evidente em muitas empresas? Ou a forma como são feitas as entregas, sempre com um detalhe especial?


Essas atitudes do cotidiano remetem a uma cultura empresarial fortalecida ao longo dos anos, que se torna parte da instituição. O modo de celebrar as conquistas, a postura diante das dificuldades, o convívio entre os profissionais… Todos esses são aspectos ligados à história do negócio e, quando trazidos à tona, geram identificação.




Uma forma de se posicionar

Coruja branco em meio a flores amarelas.

Ao ampliar a estratégia e a cultura para além dos portões da empresa, o olhar sobre o passado contribui para orientar o posicionamento diante dos diferentes públicos. Por exemplo: se uma instituição sempre contribuiu com o desenvolvimento da região em que está inserida, seria estranho abrir mão desse princípio de um dia para o outro, certo?


Avaliar a trajetória percorrida contribui para a coerência das decisões. Se vai comprar de pequenos ou grandes fornecedores, se tem um foco voltado para o mercado local ou global, se trabalha com equipes próprias ou terceiras… Nada impede que as mudanças aconteçam, mas conhecer o histórico permite alinhá-las à essência da empresa.



Reputação e credibilidade

Pedras empilhadas em formato de pirâmide. Na base pedras maiores e no topo a menor.

Uma instituição que tem seus valores claros, uma cultura sólida e um posicionamento coerente, ganha muitos pontos em termos de reputação e credibilidade. Os colaboradores, parceiros, fornecedores ou clientes, reconhecem que há algo genuíno que une todos esses aspectos, e que está vinculado às origens da organização.


Nenhuma empresa está livre de passar por crises e dificuldades, no entanto, quando se conhece o passado, é mais fácil encontrar inspiração para superar as adversidades. E, assim, se manter como uma instituição relevante, respeitada e competitiva, que conhece o seu papel e atua de acordo com aquilo que faz mais sentido para si.